Todos juntos somos fortes

Não devemos ser escravos de um padrão, de uma época, de um costume.

A floresta é nossa

A Lei Florestal está ameaçada pela bancada da moto-serra.

Surfistas criam prancha feita com 90% de materiais renováveis

A utilização de materiais que não fazem mal ao planeta pode ser encontrada em vários objetos, inclusive em pranchas de surf.

Ato Contra Energia Nuclear

O Brasil precisa de energia limpa.

Todos por praias mais limpas

A campanha “Vamos Limpar o Mundo” 2010, aconteceu na cidade de Itanhaém e contou com a participação de voluntários por toda a cidade.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Hoje: “Onde o Mar Encontra Pessoas”


Documentário traz o panorama das relações
humanas com o mar



A relação de pertencimento dos seres vivos com o mar data da origem da vida no planeta Terra. Esse mesmo mar, que muitos dizem que separam os continentes foi utilizado no passado para unir os povos no período das grandes navegações, e até hoje, ainda estreita as populações dessa enorme aldeia global.

Surfistas e pescadores são apenas alguns dos atores que se relacionam diretamente com a energia desse templo da natureza, e que perpetuam a sua cultura e história através da mística que os envolve enquanto “seres de água salgada”.

Nesta próxima sexta-feira (18/02) será lançado pela Ecosurfi o documentário “Onde o Mar Encontra Pessoas”, longa metragem produzido e dirigido pelo itanhaense Jonas Martinelli, que retratou através de imagens o panorama de como é viver uma relação cotidiana de trabalho com o mar na cidade de Itanhaém.

A produção traz entrevistas com pescadores, surfistas, comerciantes e guarda-vidas, que estão diretamente em contato com o Mar e toda a sua metamorfose natural.

Num contraponto importante o documentário expõe e investiga as incongruências que rondam a história oficial da cidade de Itanhaém através das contribuições do pesquisador Eduardo Britto, que estuda há mais de 22 anos a história da cidade e investiga as ações público – administrativas referentes a utilização do mar na região.


TRAILER



O Documentário será exibido na sede da Ecosurfi a partir da 21hs nessa sexta-feira (18/02).

Endereço: Rua Maria Deolinda Assunção Salles, 80 

Jardim Mosteiro / Itanhaém
Maiores Informações: 13 3426 8138 / 13 9751 0332


FICHA TÉCNICA
Título Original: “Onde o Mar Encontra Pessoas”
Gênero: Documentário
Tempo de Duração: 55 min
Ano de Lançamento: 2010
Qualidade: DVDRip
Formato: Rmvb
Áudio: Português
Legenda: Sl
Tamanho: 268 mb

Sinopse: No documentário “Onde o Mar Encontra Pessoas”, o diretor e produtor Jonas Martinelli apresenta uma ótica ainda pouco explorada da relação de pessoas que convivem diretamente com tudo o que acontece com o mar, e mostra como ocorre a ligação de suas vidas com a “’Água salgada”.

Direção e Produção Jonas Martinelli;
Co-produção Leandro Bertasi;
Produção Executiva João Martinelli; e
Pesquisa Bruno Martinelli

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Surfistas criam prancha feita com 90% de materiais renováveis


Vídeo de apresentação da prancha no concurso, em inglês.



A utilização de materiais que não fazem mal ao planeta pode ser encontrada em vários objetos, inclusive em pranchas de surf. A marca alemã Kun_Tiqi fabrica as pranchas a partir de madeira de balsa cultivada de maneira sustentável em uma fazenda do Equador.
kun_tiqi
Ela é laminada com uma resina com com 98% de linhaça / Foto: Divulgação
De acordo com o site, 90% da prancha é feita de matéria prima natural e renovável. Depois de adquirir a forma devida, ele é laminado com uma resina feita com 98% de linhaça e sem ingredientes tóxicos.
prancha 1
A marca Kun_Tiqi produz as suas pranchas de maneira sustentável / Foto: Divulgação
A vantagem de usar esse tipo de madeira é que ela cresce muito rápido (dez metros em menos de quatro anos), é fácil de ser reciclada e não produz toxinas. Ela é cultivada por Don Zandoval e as família, que planta as árvores de acordo com as leis locais e um sistema sustentável de cultivo (como o Comércio Justo).
surf
As pranchas são mais resistentes, flexíveis e duráveis / Foto: Divulgação
Já que o processo de fabricação é todo feito a mão, as pranchas levam, em média, seis vezes mais tempo para ficarem prontas do que as produzidas de forma convencional. Esse é um dos fatores que fazem as pranchas serem mais flexíveis, estáveis e terem maior durabilidade.
Os “surfistas que se importam”, como diz o slogan da marca, ainda apontam outra vantagem do uso da madeira: no final da vida útil, o artigo é utilizado como composto e fertilizante de solo.
don zandoval ecuador
Don Zandoval e sua família cultivam a madeira balsa de maneira sustentável / Foto:Divulgação

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Creative Commons License
Ecobservatório by João Malavolta is licensed under a Creative Commons.
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More